segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

As leis fundamentais da estupidez humana - parte II

O comportamento humano, segundo Cippolla, pode ser graficamente representado, conforme a figura mesmo aqui ao lado.
O eixo dos X (das abcissas) representa o benefício que o próprio retira das acções que empreende.
O eixo dos Y (das ordenadas) representa as vantagens (+) ou danos (-) que as acções do próprio trazem aos outros.

A pessoa cujas acções prejudicam os outros e a si própria, são, adivinhem, os estúpidos (quadrante inferior esquerdo). As pessoas cujas acções trazem elevados benefícios a si próprias à custa da desvantagem alheia, constituem os bandidos (quadrante inferior direito). As pessoas cujas acções trazem beneficios aos outros em detrimento dos seus próprios ganhos são os crédulos (há quem lhes chame os desgraçados ou os azarados) (quadrante superior esquerdo). Aqueles cuja acções procuram beneficiar a si próprios e também os outros, são verdadeiramente inteligentes (quadrante superior direito).

O desafio é cada um perceber em que quadrante melhor se encaixa. Tudo isto me serviu para tomar consciência de que de inteligente, desgraçado e bandido todos temos um pouco. Congratulo-me por perceber que não sou estúpida, mas um dos dramas dos tempos modernos tem que ver com o facto dos estúpidos jamais reconhecerem que o são e que qualuqer pessoa a qualquer momento pode revelar-se irremediavelmente estúpida (2ª lei fundamental). Isto origina um dilema bestial. Afinal, sou ou não sou estúpida?
Uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa um dano a outra pessoa ou grupo de pessoas, sem que disso resulte alguma vantagem para si, ou podendo até vir a sofrer um prejuízo
O que é preciso é que eu perceba que tipo de acções empreendo, equacionar o seu impacto, em termos de beneficios ou danos causados a outro ou outros, para poder posicionar-me graficamente. Citando Cippolla, detalhemos alguns casos. Por exemplo, todos nós nos lembramos de situações em que infelizmente nos relacionámos com alguém que obteve um ganho causando-nos um prejuízo. Tal significa que nos deparámos com um bandido. Embora menos frequente, também não é impossível termo-nos cruzado alguma vez com alguém que tenha praticado uma acção cujo resultado nos foi benéfico, constituíndo um prejuízo para si próprio. Essa pessoa foi crédula, pobrezinha, mas isso não faz de nós bandidos. Sê-lo-iamos caso tivessemos sido nós a empreender a acção. Sem grande esforço (felizmente) também conseguimos recordar situações em que alguém empreendeu uma acção que foi benéfica para ambas as partes, revelando inteligência.
Faltam aquelas situações em que sofremos perdas de dinheiro, energia, tranquilidade e boa disposição, mercê das acções imponderadas e improváveis “de alguma absurda criatura que, nos momentos mais impensáveis e inconvenientes” (sic) nos causa danos e prejuízos sem que ganhe absolutamente nada com isso. Não existindo qualquer outra explicação, diz-nos Cippolla, a explicação é única: “a pessoa em questão é estúpida”.

Voltemos então às leis. A terceira lei fundamental da estupidez humana (também chamada a Lei de Ouro), é a mais importante, por ser aquela que define o estúpido ou a estúpida:

Uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa um dano a outra pessoa ou grupo de pessoas, sem que disso resulte alguma vantagem para si, ou podendo até vir a sofrer um prejuízo (sic).

(continua)

8 comentários:

Juanito disse...

Este senhor Cippolla foi aquele que realizou "O Padrinho"? Se é, gosto muito do trabalho dele.

sweetjane disse...

É o irmão. Fica tudo em família. Este Cippolla aliás foi grande influência para a Sofia Cippolla, quando realizou "Lost in Translation". Foi aliás por esse motivo que o filme não se chamou "Road to perdition". Ab. Sweet.

Prof. Doutor Suspenso Freitas disse...

O Doutor Juanito tem razão. Francis Ford Cippolla realizou "O Padrinho".

Carlos Cebola disse...

Olhe que o Senhor Professor Doutor, com o devido respeito, está equivocado. Bem como o Doutor Juanito. Quem realizou "Padrinho" foi o pai da Sofia Cippolla.

Pai do Prof. Doutor Suspenso Freitas disse...

Ambos laboram em erro, quer o meu filho Prof. Doutor Suspenso Freitas, quer o Doutor Juanito. Quem realizou "O Padrinho" foi o tio de Nicolas Cage. Fica a correcção.

Blimunda disse...

O Nicolas Cage é um canastrão, ao contrário do tio e da prima. Só gostei dele quando trabalhou com aquele rapaz...o David Lixe-se e gritava Lula...estaria a referir-se ao presidente de Vera Cruz?

Juanito disse...

Quando era muito novinho também adorei "Coração Selvagem", Bli.

Anónimo disse...

O Padrinho é de Francis Ford Coppola, não confundir com Carlo Cipolla... :D

5 estrelas!