quinta-feira, 23 de novembro de 2006

Socorro, não sou igual à Claudia Schiffer...


Claudia Schiffer ligou-me ontem para o telemóvel. Teve azar, porque eu estava em mensagens. Deixou-me um voicemail e eu depois liguei-lhe. Liguei-lhe, é como quem diz, mandei-lhe um kolmi para ela me ligar, porque da minha rede para a dela é um roubo. A pobre queria desabafar, porque parece que agora tem uma doida à perna que quer ser amiga dela à força toda, e só lhe liga para o móvel e para o fixo a toda a hora. Escreve num blog, segundo parece.

Aparentemente trata-se de uma mulher obcecada pelas hipóteses de mudança física, que acorda a pobre da Schiffer às 4 da manhã a colocar-lhe questões como "o teu cú foi pago a prestações, Claudia?", "Claudia, a felicidade de uma bela liposuccção infligida às gengivas é transitória?", "Não sejas egoísta, Claudia, e diz-me onde arranjaste essas nádegas".

Isto torna-se naturalmente aborrecido para a Schiffer, não só pelos horários absolutamente inconvenientes, mas até pelo facto de ela não falar português. As conversas tornam-se assim trocas mudas em que a pobre da Schiffer pouco mais diz do que "-Was?" "-Was?"... A doida em questão parece que escreve num blog, e coloca a Claudia Schiffer dilemas que chegam ao bizarro

A doida em questão parece que escreve num blog, e coloca a Claudia Schiffer dilemas que chegam ao bizarro. Segunda-feira às 7 da manhã lá tocou o móvel da Schiffer. "Guten morgen, Claudia", ouviu-se do outro lado, "Escuta, consideras aberrante uma intervenção que torne apenas a mama direita mais atrevida e apenas a nádega esquerda mais imponente? Acordei com esta ideia, o que te parece? Devo avançar?". "-Was?", foi o que a Schiffer pôde articular, ainda entaramelada da noite.

A sensação de impotência perante a inexorabilidade do tempo de que padece esta doida, e a sensação de impotência de Claudia perante o assédio de que é vítima, trazem a super-modelo agastada. Contagiada já em certa medida por estes medos e complexos, a Schiffer já denotou alguns comportamentos novos: procurando aproveitar ao máximo a sua beleza enquanto ela dura, e antes que se torne "velha e horrível e descaída e com cabelos brancos e desinteressante e velha e feia como uma pessoa que eu vim a conhecer" (como disse ao Frankfurter Allgemeine), Schiffer tem sido vista em bandos de jovens de 19 anos, pavoneando-se pela rua, nas praias, nas esplanadas, de umbigo à mostra, de tatuagens malandras e de piercings marotos. "Comecei a ter medo de ser mal amada", confessou a super-modelo. Isso, Schiffer, a cirurgia estética não cura.

5 comentários:

A Naval disse...

Juanito, ao seu melhor nível! Não gostaria de me repetir, mas G-E-N-I-A-L!

Carlos Nunes disse...

É interessante reparar que no teu horário de expediente andas a postar no teu blog. Aposto que o bucha não sabe, porque se soubesse, dava-te uma coça.

Anónimo disse...

Será que ela guarda a sabedoria no decote?

Juanito disse...

A Naval é a única que realmente me aprecia. Ela sempre me apreciou, só que nunca teve coragem de o dizer... Foi preciso vir este blog para que ela manifestasse todo esse amor, todo esse super-carinho... Aqui, vc eh super especial tb, viu?

Auréola Farinha disse...

Carlos, também me pergunto o que aconteceria se constasse que não trabalhas às sextas-feiras.